Marcadores

Tranduza (Translate)

sábado, 20 de julho de 2019

THE SELECTION AND THERAPEUTIC USE OF VITAMIN E

Vitamin E is a fat soluble vitamin, and is remarkably safe. Doctors have given quantities as high as 3200 International Units (IU) per day harmlessly. This is over 100 times the U.S. Recommended Daily Allowance (RDA). 
 
The natural, best form of vitamin E is called D-alpha tocopherol with mixed natural tocopherols and tocotrienols and is made from vegetable oil. The synthetic form is DL-alpha tocopherol. “D” or “DL”

Not a big difference in name, is it. There is evidence that the natural "D" (dextro, or right-handed) molecular form of vitamin E is more useful to the body than the synthetic "L" (levo or left-handed) form. The natural form is also more expensive. E with the tocotrienols included costs considerably more.  In choosing a vitamin E supplement, you should carefully read the label... the entire label. It is remarkable how many natural-looking brown bottles with natural-sounding brand names contain synthetic L (levo) vitamin E. 

 

SUCCESSFUL REPORTED THERAPEUTIC USES OF VITAMIN E
 
According to Wilfrid Shute, M.D. and Evan Shute, M.D., Vitamin E in quantity has many benefits. One is an oxygen-sparing effect on heart muscle.  Another benefit is that Vitamin E helps to gradually break down blood clots in the circulatory system, and helps prevent more from forming. Vitamin E encourages collateral circulation in the smaller blood vessels of the body. It seems to promote healing with the formation of much less scar tissue. Vitamin E helps strengthen and regulate the heartbeat. 
The above benefits, say the Shutes, mean that vitamin E is important in the treatment of many diseases of the circulatory system. These cardiologists treated heart attacks, angina, atherosclerosis, rheumatic fever, acute and chronic rheumatic heart disease, congenital heart diseases, intermittent claudication, varicose veins, thrombophlebitis, and high blood pressure. That's quite a list, to which they soon added diabetes and burns as well. Many medical authorities were skeptical, to say the least. Vitamin E seemed to be too good for too many illnesses. 
Before the Shutes' viewpoint on vitamin E can be disregarded we must consider that they treated more than 30,000 cardiac patients over a period of more than 30 years. Their success cannot be easily dismissed.
Drs. Wilfrid and Evan Shute give dosage information in their excellent books, many of which are readily available online and through your public library. Be sure to ask the librarian and to use interlibrary loan if you have any trouble finding a book. Since the effective dose of vitamin E varies with the individual condition, it is always a good idea to have medical supervision. 
 

Here are the actual dosages, for many conditions, exactly as used by the Shute brothers: http://www.doctoryourself.com/shute_protocol.html

SOME GUIDELINES 
Persons with high blood pressure need to increase their daily amount of vitamin E gradually, say the Shutes. This is because the vitamin increases the strength of the heartbeat, and a gradual increase of E avoids any sudden rise in blood pressure. The Shutes found that over a period of months, a gradually increasing dose can yield a lower blood pressure. 
The Shutes said that persons with a chronic rheumatic heart do not tolerate much vitamin E and need medical supervision if they are to use it. 
Persons taking drugs such as Coumadin (warfarin) commonly find that their tests indicate a decreased need for "blood-thinning" drugs. The intelligent way to deal with this is to work with your doctor, who is responsible for your prescription. 
A person in good health may wish to begin with a supplemental amount of 200 I.U. of vitamin E per day and try it for a couple of weeks. Then, 400 IU  might be taken daily for another two weeks. For the next two weeks, 600 I.U. daily, and for the next two weeks, 800 I.U. per day and so on. One ultimately takes the least amount that gives the best results. This approach is essentially that of Richard A. Passwater and is provided in more detail in his book Supernutrition (1975, Pocket Books). 
 

EXTERNAL USES 
Vitamin E is very effective on burns. (First aid is cold on a burn; apply the "E" later). You can drip the vitamin onto burned skin directly from the capsule. This is sanitary, soothing and painless. Even third degree burns heal much more readily with twice-daily applications of vitamin E. Less scarring and greatly reduced inflammation are continually reported with its use. Absorption of the vitamin is best if the skin is dry before application. 
For a large area of sunburned skin, mix a few 400 I.U. capsules with a teapoon or two of olive oil. Gently rub this in as soon as possible after exposure. There will be little if any peeling if you apply the "E" mixture promptly. 
Individuals also report relief of hemorrhoids with topical use of vitamin E. Whoops! From heart disease to hemorrhoids? You can see why doctors often do not consider vitamin E to be a serious therapy. This vitamin is just too versatile. There are ways of understanding this, though. 
First, the reason one vitamin can cure so many ailments is that a deficiency of one vitamin can cause many ailments. Each vitamin has many different uses in the human body. There are, after all, just over a dozen vitamins and your body undergoes countless millions of different biochemical reactions daily. Therefore, each vitamin has to have a large variety of applications. 
Second, you can try using the vitamin and see for yourself how it works. 

Andrew Saul is the author of the books FIRE YOUR DOCTOR! How to be Independently Healthy (reader reviews at http://www.doctoryourself.com/review.html ) and DOCTOR YOURSELF: Natural Healing that Works. (reviewed at http://www.doctoryourself.com/saulbooks.html )

Copyright 2005, 2001 and previous years Andrew W. Saul. Page updated and copyright 
 2018.

Fonte:

http://www.doctoryourself.com/vitamin_e.html 

 

Shute Vitamin E Treatment Protocol

Vitamin E Dosage 

Natural Alpha Tocopherol (Vitamin E) in the treatment of Cardiovascular and Renal Diseases as suggested by Drs. Wilfrid and Evan Shute and the Shute Institute for Clinical and Laboratory Medicine, London, Ontario, Canada. Use only products labeled in terms of InternatIonal Units (IU).
Acute coronary thrombosis: 450 to 1,600 IU a day started as soon as possible and maintained.
Older cases of coronary thrombosis: 450 to 1,600 IU if systolic pressure is under 160 Otherwise 450 IU for the first four weeks, particularly if a hypotensive agent is used concurrently.
Acute rheumatic fever: 450 to 600 IU daily.
Chronic rheumatic heart disease: give 90 IU daily first month, 120 IU daily second month and 150 IU daily for third month. 150 IU may be ideal dose. Occasionally more is necessary and advisable. Response will necessarily be slow.
Anginal Syndrome: 450 to 1,600 IU if systolic pressure is under 160. Otherwise start on 150 IU for four weeks then 300 IU for four weeks, particularly if hypotensive agent is used.
Hypertensive heart disease: 75 IU daily for four weeks, 150 IU daily for four weeks, then cautiously increase.  Should be used with hypotensive agents.  High doses of vitamin E have been shown to reduce high blood pressure in rats with chronic kidney failure. (Vaziri N.  Hypertension, Jan 2002.) 
Thrombophlebitis and Phlebothrombosis: 600 to 1,600 IU daily.
Thrombocytopaenic Purpura: 800 to 1,200 IU daily.
Diabetes Mellitus: Same schedule as for cardiacs.
Acute and Chronic Nephritis: as for cardiac patients.
Burns, Plastic Surgery, Mazoplasia: 600 to 1,600 IU daily, using vitamin E ointment or vitamin E spray as adjunct.  (Editor’s note: vitamin E may also be dripped from a thumbtack-punctured capsule.)
 

CAUTIONS
The maintenance dose equals the therapeutic dose.
Do not take iron and vitamin E at same time. If iron is indicated, separate the doses by about nine hours.
The digitalis requirement is often reduced after vitamin E takes hold, so over-digitalization should be avoided. A patient receiving vitamin E should not be digitalized by the Eggleston massive dose technique nor any of its modifications. It is usually sufficient for full digitalization to give what is ordinarily a maintenance dose of 1 1/2  grains digitalis folia or 0.1 mg digitoxin per day. By the second day the patient is often digitalized.
Insulin dosages in diabetic cardiacs must be watched closely, for the insulin requirement may be considerably reduced very suddenly.
Hyperthyroidism is sometimes a contraindication.
Estrogens should rarely be given at the same time as alpha tocopherol (vitamin E).
(Editor's note: The Shutes also recommend caution with patients who have untreated high blood pressure, a rheumatic heart, or congestive heart failure. If you are a person with these or any other preexisting medical condition, you need to WORK WITH YOUR PHYSICIAN TO DETERMINE YOUR OPTIMUM VITAMIN E LEVEL.)

TWELVE EFFECTS  OF ALPHA TOCOPHEROL (Vitamin E)
1.  It reduces the oxygen requirement of tissues.
Hove, Hickman, and Harris (1945) Arch. Biochem. 8:395.

Telford et al (1954) Air University School of Aviation Medicine Project #21-1201-0013, Report #4, May. Randolph Field, Texas.
2.  It melts fresh clots, and prevents embolism. 
Shute, Vogelsang, Skelton and Shute (1948) Surg., Gyn. and Obst. 86:1.

Wilson and Parry (1954) Lancet 1:486.
3.  It improves collateral circulation.
Enria and Fererro (1951) Arch. per Ia Scienze Med. 91:23. 

Domingues and Dominguez (1953) Angiologia 5:51. 
4.  It is a vasodilator.
Shute, Vogelsang, Skelton and Shute (1948) Surg., Gyn. and Obst. 86:1.

5.  It occasionally lyses scar tissue.
Steinberg (1948) Med. Clin. N. America 30:221, 1946.

6.  It prevents scar contraction as wounds heal. 
Shute, Vogelsang, Skelton and Shute (1948) Surg., Gyn. and Obst. 86:1.

7.  It increases low platelet counts. 
SkeIton, Shute, Skinner and Waud (1946) Science 103:762.

8.  It decreases the insulin requirement in about 1/4 of diabetics. 
Butturini (1950)  Gior. di Clin. Med. 31:1.

Tolgyes (1957) Summary 9:10.
9.  It is one of the regulators of fat and protein metabolism. 
Hickman (1948) Rec. of Chem. Progress, p.104.

10.  It stimulates muscle power. 
Percival (1951) Summary 3:55.

11.  It preserves capillary walls. 
Ames, Baxter and Griffith (1951) International Review of Vitamin Research 22:401.

12.  It prevents haemolysis of red blood cells. 
Rose and Gyorgy (1951) Fed. Proc.10:239. 1951.
 

OTHER  RELEVANT  PUBLICATIONS
Tolgyes, S. and Shute, E. V. (1957), Alpha Tocopherol in the Management of Small Areas of Gangrene. Can. M. A. J.  76:730.
Shute, E.V. (1957) The Prevention of Congenital Anomalies in the Human: Experiences with Alpha Tocopherol as a Prophylactic Measure.  J. Ob. & Gyn. Brit. Emp. 44:390.
Hauch, J. T.  (1957) A New Treatment for Resistant Pressure Sores. Can. M.A.J. 77:125.
Shute, E. V. (1957) Alpha Tocopherol in Cardiovascular Disease. Oxford University Med. Gaz. 9:96. 
  

Fonte:

http://www.doctoryourself.com/vitamin_e.html
 

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Experimente Tratamentos Homeopáticos para Asma

Experimente tratamentos homeopáticos para asma
Por Dr. Mercola

A asma é uma doença crônica que afeta suas vias respiratórias. A inflamação faz com que elas inchem, provocando respirações ofegantes, falta de ar e tosse. Os sintomas variam de leves a graves, podendo ocorrer rara ou diariamente. Na maioria das pessoas, a asma se desenvolve durante a infância e dura a vida inteira.

O objetivo da medicina convencional é controlar os sintomas e evitar que estes piorem, resultando nos ataques de asma. De acordo com dados recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), 7,9% dos adultos e crianças são diagnosticados com asma.
As crianças entre 5 e 14 anos de idade são as mais afetas. 9,7% das crianças dessa faixa etária têm asma. Em crianças, a incidência da doença é maior em meninos do que em meninas, mas em adultos, ela é maior nas mulheres. O objetivo dos tratamentos convencionais é controlar os sintomas para permitir que o indivíduo faça suas atividades do dia a dia, mas essa é apenas uma medida paliativa.

Os tipos de tratamentos dependem da idade, da gravidade da doença, e da reação do corpo ao tratamento. Muitas pessoas com asma usam medicamentos diariamente para controlar os sintomas a longo prazo e usam inaladores para aliviar rapidamente as crises. Mas além de identificar os fatores ambientais que causam os ataques de asma, os tratamentos homeopáticos podem oferecer um alívio bom o bastante para reduzir ou até mesmo interromper o uso de medicamentos farmacêuticos.

Porém, mesmo que a asma seja tratável pela homeopatia, a Associação Homeopática Britânica recomenda que você não se automedique e procure um profissional homeopático para encontrar os melhores remédios para a o seu caso específico.

A história da homeopatia

A prática da homeopatia era popular nos EUA e na Europa no século XIX. Alguns dos maiores defensores da prática eram a realeza europeia, empreendedores americanos e gigantes literários. No entanto, apesar de ganhar popularidade, a homeopatia se tornou uma prática de oposição à medicina ocidental tradicional.

O início da homeopatia se deu com as descobertas de Samuel Hahnemann, um médico alemão, que criou a palavra “homeopatia” em referência aos princípios farmacológicos. A base da prática é a “lei dos semelhantes”, descrita por Hipócrates e utilizada em muitas culturas, como a maia, chinesa, grega e nativo americana.

Quando Hahnemann tinha 24 anos, ele podia ler e escrever em pelo menos sete idiomas, e traduziu mais de 20 livros de medicina importantes. A ideia principal de Hahnemann era identificar pequenas doses de compostos que causam mudanças biológicas.

Coincidentemente, em 1798, a descoberta de que a administração de pequenas doses do vírus da varíola bovina era capaz de imunizar as pessoas contra a varíola era aceitável, mas o trabalho de Hahnemann não era.

Muitos dos primeiros praticantes da homeopatia se graduaram em escolas de medicina prestigiadas, mas a medicina ortodoxa se encontrou ameaçada, pois os homeopatas ofereciam abordagens integradas e sistemáticas para as práticas terapêuticas, e eram muito críticos sobre o uso dos medicamentos convencionais.

Os homeopatas acreditavam que o tratamento dos sintomas, ao invés de tratar as doenças que os causam, pode causar doenças mais graves e profundas, uma teoria provada verdadeira para vários casos durante a história. Mas em 1882, a Associação Médica Americana (AMA) já havia eliminado todos os praticantes da homeopatia da associação.

Além disso, criaram um código de ética afirmando que qualquer médico que consultasse com um homeopata perderia sua filiação à associação. Na época, sem filiação às sociedades médicas locais, os médicos não tinham licença para praticar a medicina.

Apesar dessa opressão, a homeopatia prosperou no século XIX e no início do século XX. No entanto, mesmo a prática sendo popular entre os ricos e os pobres, a razão mais provável pela sua sobrevivência foi o seu sucesso no tratamento de doenças epidêmicas infecciosas durante o século XIX.

Conceitos básicos da homeopatia

Estatísticas mostram que a taxa de mortalidade nos hospitais homeopáticos era de 50% a 90% menor que nos hospitais médicos ortodoxos. Em 1849, durante a epidemia da cólera, homeopatas da cidade de Cincinnati obtiveram um sucesso tão grande, que publicaram uma lista com os nomes das pessoas que foram curadas e das pessoas que morreram. Apenas 3% dos seus pacientes morreram, enquanto nos hospitais médicos ortodoxos essa taxa foi de 48% a 60%.

No início do século XX, a AMA suprimia a prática da homeopática com cada vez mais eficiência, e em 1910, a Fundação Carnegie emitiu o infame Relatório de Flexner, que avaliou as escolas médicas. O relatório atribuiu pontuações baixas às faculdades homeopáticas, em parte devido às faculdades continuarem com a prática clínica e às escolas oferecerem cursos de farmacologia, que eram considerados perda de tempo.

Como resultado, os médicos formados em escolas que não receberam pontuações altas no relatório não tinham permissão de fazer o exame de licença médica. O declínio da homeopatia também pode estar relacionado com a falta de viabilidade econômica, pois a prática demanda mais tempo com o paciente.

Na homeopatia de Hahnemann, ele considerava todos os sintomas para o tratamento, e prescrevia um remédio por vez. Porém, com a progressão das práticas homeopáticas, outros médicos passaram a prescrever medicamentos para sintomas específicos, ao invés de tratarem a doença como um todo.

Hoje em dia, os remédios homeopáticos são nanomedicamentos, essencialmente. A premissa pela qual os tratamentos homeopáticos vêm sendo feitos por mais de um século é que, quanto mais diluído o remédio estiver, maior será o seu efeito. E as doses baixas dos nanomedicamentos são capazes de cruzar a barreira hematoencefálica e as membranas plasmáticas das células facilmente, sem ativarem os mecanismos de defesa do corpo.

Além disso, esses tratamentos não provocam efeitos colaterais e reações adversas. Até então, já existem mais de 300 ensaios duplo-cego controlados por placebo sobre a homeopatia, publicados e revistas médicas de revisão por pares, como:
  • The Lancet
  • BMJ (British Medical Journal)
  • Chest (publicação da Faculdade Americana de Médicos do Tórax)
  • Pediatrics (publicação da Academia Americana de Pediatria)
  • Cancer (revista da Sociedade Americana do Câncer)
  • Pediatrics Infectious Disease Journal (publicação da Sociedade Europeia das Doenças Infecciosas Pediátricas)
  • European Journal of Pediatrics (publicação da Sociedade Suíça de Pediatria e da Sociedade de Pediatria da Bélgica)

A asma afeta milhões de pessoas

A causa exata da asma é desconhecida, e pode variar de pessoa para pessoa. Os pesquisadores acreditam que ela é resultante de uma forte reação imunológica a alérgenos do ambiente, como as proteínas sazonais e os pelos dos animais de estimação. Esses alérgenos entram nas vias aéreas, provocando fortes reações pelo sistema imunológico.

De acordo com a Fundação de Asma e Alergias dos EUA, os afro-americanos dos EUA morrem de asma em proporções maiores que as pessoas de outras etnias. A asma é a doença crônica mais frequente em crianças, e a maior razão pela qual elas faltam aulas na escola. Em 2013, 13,8 milhões de dias letivos das escolas dos EUA foram perdidos devido à asma.

Nos EUA, 10 pessoas morrem de asma por dia, e muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas com o devido tratamento e cuidado. A chance dos adultos morrerem de asma é quatro vezes maior que das crianças, e as mulheres têm mais chances de morrer de asma do que os homens. De acordo com a CDC, os custos econômicos da asma são maiores que 80 bilhões de dólares por ano, incluindo custos médicos, dias perdidos no trabalho e nas escolas, e mortes.

No entanto, os pesquisadores acreditam que esses valores são provavelmente maiores, já que os dados incluíram somente pessoas tratadas por asma, ou seja, que tiveram pelo menos uma consulta médica ou receita médica por causa da asma dentro de um ano. Além disso, as informações do estudo não levaram em conta os custos não médicos, como transporte e a perda de produtividade no trabalho e nas escolas.

Os sinais e sintomas da asma incluem aperto no peito, tosse, falta de ar e respirações ofegantes, que provocam um chiado ao exalar. Os ataques de asma podem ocorrer repentinamente, e podem ser mortais.

Os sintomas podem ser provocados por exercícios físicos, alergias, ar frio e hiperventilação, e podem piorar durante a noite ou de manhã bem cedo, ou durante infecções virais. Os sintomas também podem aumentar e diminuir com o passar do tempo, e essas variações podem ocorrer até mesmo dentro de um só dia.

Tratamentos homeopáticos para a asma

Durante a consulta, o médico homeopata vai encontrar um tratamento para ajudar seu corpo a reduzir ou eliminar as dificuldades de respiração associadas à asma. Por isso, talvez essas consultas levem até uma hora, pois o médico irá determinar quais são os melhores medicamentos para começar o tratamento. Os medicamentos homeopáticos normalmente receitados para a asma são:

Ipecacuanha — Derivado de uma planta nativa do Brasil, a Cephaelis ipecacuanha, esse medicamento é indicado para tratar as respirações ofegantes e tosses repentinas com engasgos e vômitos constantes. Pode beneficiar pacientes com chiados no peito, suor, sensação de suor, náuseas e agravamento dos sintomas durante climas quentes e úmidos ou durante o calor.

Arsenicum Album — Esse medicamento é indicado para tratar dificuldades de respiração durante a noite, sensação de sede acompanhada pelo consumo frequente de água, e ansiedade associada à dificuldade de respiração. O paciente pode se sentir exausto, mas inquieto e ansioso, E sentir dificuldades de respirar enquanto deitado, e os sintomas geralmente são mais intensos entre a meia noite e as 2h da manhã.

Natrum sulphuricum — Esse medicamento é prescrito para a asma em clima úmido, quando o paciente estiver com escarro grosso e esverdeado.

Nux vomica — Esse medicamento é prescrito para os sintomas de asma que ocorrem juntamente com um mal-estar no estômago. Os ataques são piores durante as manhãs, após refeições ou durante climas secos.

Lobelia inflata — Esse medicamento é prescrito quando há uma inflação excessiva dos pulmões e falta de ar, juntamente com respirações ofegantes. Os sintomas podem ser causados pela ansiedade, causando um esforço desnecessário para respirar, ou pelo hábito de fumar.
A lobelia inflata pode ajudar a controlar os ataques de asma durante o trabalho ou durante o parto. Os pacientes que sentiram alívio também notaram que o clima úmido e frio piora os sintomas da asma, e respirações lentas e profundas os aliviam.

Antimonium tartaricum — Esse medicamento é usado tradicionalmente como um emético, induzindo o vômito. As doses usadas pela homeopatia são infinitesimalmente pequenas, e são benéficas para crianças e idosos, quando os sintomas estão associados com infecções e grande quantidades de muco. Outros sintomas incluem respirações rápidas e com dificuldade, e dificuldade em expelir o muco.

Sambucus nigra — O extrato do sabugueiro também pode ser utilizado como um antiviral. Na homeopatia, ele pode ser beneficial para pessoas que sofrem sensações de sufocamento durante a noite ou pessoas cujos sintomas pioram entre a meia noite e as 3h da manhã.

Natrum sulphuricum — Esse medicamento é útil para crianças e adultos cujos sintomas da asma pioram por volta das 4h da manhã, durante climas úmidos, e antes da menstruação.

Pulsatilla — Esse medicamento pode ser usado quando os sintomas da asma aparecem quando o paciente está aquecido ou após comer alimentos nutritivos. Se você está com muco amarelado e sofre de engasgos, sufocamentos e aperto no peito durante a noite, e se sente aliviado respirando ar fresco e frio, pode ser que a Pulsatilla seja um bom tratamento.

Spongia tosta — Esse medicamento é indicado para asmas com tosses difíceis, intensas e secas. Pode ser que consumir bebidas mornas ou se sentar com a cabeça deitada para trás ajudem a aliviar Os sintomas, que aparecem com maior frequência antes da meia noite.

O equilíbrio das gorduras ômega pode reduzir os sintomas da asma

Se você sofre de asma, considere o seu consumo de ômega-3. Seu corpo necessita de um equilíbrio entre os ácidos graxos ômega-3 e ômega-6. Infelizmente, a dieta da maioria dos americanos é muito rica em ômega-6 e muito pobre em ômega-3. Um estudo do centro médico Johns Hopkins Medicine demonstrou que crianças diagnosticadas com asma que apresentaram altos níveis de gordura ômega-3 sofreram menos sintomas da doença.

No estudo, os dados foram coletados de 135 crianças com idades entre 5 e 12 anos. Cerca de um terço das crianças sofria de sintomas leves de asma, outro terço sofria de sintomas moderados, e o último terço sofria de sintomas intensos. Foram coletados dados sobre suas dietas, sintomas e uso de inaladores, através de questionários.

Os pesquisadores se concentraram em expor a poluição do ar como causadora dos sintomas da asma, E descobriram que as crianças que consumiam mais ômega-3 demonstraram ser mais resistentes à poluição do ar interior, pois suas reações asmáticas à poluição foram menores. Há cada vez mais evidências de que a alimentação influencia nas reações do corpo à poluição e pode ajudar a reduzir os sintomas da asma.

Fonte:

https://portuguese.mercola.com/sites/articles/archive/2019/07/17/homeopatia-no-tratamento-de-asma.aspx?utm_source=facebook.com&utm_medium=referral&utm_content=facebookmercolaport_lead&utm_campaign=7172019_homeopatia-no-tratamento-de-asma&fbclid=IwAR1eFr_h781FHUyaqGHXamHLnwILKQhlbIfUeAq57xn39ctm1MWNbIsCyi4

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Tipos de Colágeno Hidrolizado são Apenas Jogada de Marketing?

 
Tecidos à base de colágeno incluem tendões, ligamentos, cartilagem e fáscia - basicamente tecido conjuntivo - que tendem a se tornar mais fracos e menos elásticos com a idade. O tecido conjuntivo requer matérias-primas muito específicas, nomeadamente o colágeno de origem animal, como a gelatina e o caldo de osso. Seu corpo não pode produzir os aminoácidos essenciais que compõem o colágeno, então você deve obtê-los através de sua dieta. O colágeno é rico em glicina, prolina e hidroxiprolina e relativamente baixo em aminoácidos de cadeia ramificada, que são os principais que estimulam a mTOR, o anabolismo muscular e a construção muscular. Por esse motivo, não conta para a sua ingestão diária de proteína. 

Enquanto o colágeno hidrolisado é um termo legítimo - e benéfico - para procurar nos rótulos dos suplementos, o Dr. Bitz diz que há outros que são mais usados mais ​​para enganar o consumidor do que qualquer outra coisa. "Você verá coisas como" Tipo 1 e 3 "ou" Tipo 2 "no rótulo, mas honestamente é apenas uma jogada de marketing", diz ele.
Colágeno de origem bovina é o elemento básico, provavelmente cobrindo 80% das bases", diz Sisson. "Existem diferentes fontes de diferentes misturas de peptídeos de colágeno. Algumas são mais altas em prolina. Algumas são mais altas em glicina. Algumas são mais altas em hidroxiprolina.
 

 Mas todos eles têm o mesmo tipo de peptídeos dietéticos, apenas em níveis relativamente diferentes e quantidades diferentes… E então temos o ácido hialurônico, que é outro fator em alguns desses produtos. Eu estou basicamente dizendo que você pode cobrir 80% de suas necessidades com uma fonte de 100% de origem bovina, alimentada com pasto, que naturalmente contém colágeno Tipo 1 e um pouco de colágeno Tipo 2 ... Quanto ao resto, é uma perda de tempo. É assim que me sinto sobre as coisas Tipo 1 e Tipo 2.

Este colágeno (em cápsulas) de caldo de ossos de vacas alimentadas a pasto do dr. Mercola é excelente, assim como este orgânico e este em pó também (se for fazer exames de sangue de tireoide, não o consuma este último pelo menos por dois dias antes dos mesmos).
Fontes:

https://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2018/10/14/collagen-for-soft-tissue-injury-repair.aspx